Você acredita que quanto mais gelada a cerveja, melhor?!

Em um país quase sempre muito quente como o nosso, não demorou para a cultura de entornar a cerveja trincando se propagar. Impossível negar que não seja uma experiência muito boa, principalmente nos dias de verão.

Mas será que essa é uma regra a ser seguida? Nem sempre! Veja o por quê.

Cervejas sensorialmente fracas não são saborosas e nem aromáticas. Ao resfriá-las próximo de 0ºC, passamos a não sentir o verdadeiro sabor da bebida, o que, neste caso, é uma verdadeira benção.

Mas o cenário muda quando falamos de cervejas especiais. Para você parece intragável degustar uma cerveja a 15ºC? Então faça o seguinte experimento:

Escolha uma cerveja artesanal, do tipo que preferir, pode ser uma Ale ou uma IPA. Agora, pegue 3 copos e sirva a mesma quantidade.

  • 1º copo: sinta o aroma e deguste

Após 5 minutos

  • 2º copo: sinta os novos aromas e deguste os novos sabores

Após mais 5 minutos

  • 3º copo: enfim, deguste o último copo (diferente e igualmente saboroso, não?)

Para uma boa experiência é preciso respeitar o gosto individual. Mas, caso tenha curiosidade em saber qual a temperatura ideal para cada tipo de cerveja, aqui está a regra geral:

  1. Trincando (0 a 4ºC): cerveja sem álcool, pale lagers ou qualquer outra cerveja que não tenha como objetivo ser degustada e apreciada
  2. Geladinha (5 a 7ºC): cervejas claras de trigo como weizenbiers, cervejas frutadas, lambic e gueuzes
  3. Fria (8 a 12ºC): cervejas escuras de trigo como dunkel weizen, larger escuras, pale ale, vienna larger, bock tradicional e porter
  4. Adega (13 a 15ºC): stout, eisbock e, em geral, cervejas especiais belgas

Gostou? Então escolha seu rótulo e faça a sua experiência!